Muita gente pergunta se as matérias dos loteamentos realmente abrangem famílias que quase perderam tudo pelas ações na justiça, na esperança de diminuir o valor das prestações de seus imóveis. A resposta é sim. Infelizmente sim, no sentido de que são pessoas simples, honestas, mas que acabam sendo iludidas por promessas falsas. Não que cada um não tenha o direito de buscar algo na justiça, mas pelo fato de que se promete que a ação é ganha, se recebe para realizar tal serviço e, depois, nem ao menos se acompanha o processo. O efeito final é triste e amargo. Se perde a ação, se perde dinheiro e se perde até o imóvel.

 

A nossa reportagem levantou que mais três casos de despejo poderão ocorrer referentes ao caso dos loteamentos, caso não haja uma renegociação urgente com as imobiliárias. Vale o aviso de que ainda existe tempo, mas tem que haver interesse e se buscar contato com as imobiliárias será certo.

CASOS TRISTES

Para quem tem dúvidas, basta lembrar do caso da família que morava na Rua Armando Jacob, no bairro Vila Nova. Teve que deixar a casa por ordem de despejo.  Uma cena que faz imaginar o que teria causado uma aparente saída “súbita”, de onde antes existia aparentemente uma família feliz. Hoje, vivem de aluguel. É mais um caso em que fica comprovado que depositar em juízo não é a garantia de causa ganha. E assim, segue o caso dos loteamentos. O mais grave é que o mesmo destino desta família poderá ocorrer com outras duas famílias que se encontram na mesma posição.