Agora que todos começamos a sonhar com a possibilidade de diminuição do estado Leviatã que temos no Brasil faz-se necessário demonstrar as barbaridades que se formaram durante anos de administrações desastradas. Dados retirados do Guia Politicamente Incorreto da Política Brasileira, de Rodrigo da Silva, mostram que:
O Congresso Nacional, para citar um exemplo, se fosse uma cidade, teria um PIB maior do que 98,4% dos municípios brasileiros. Se fosse uma nação teria um PIB maior do que 43 países.
O contingente de funcionários do Congresso é maior do que o número de habitantes de 79% dos municípios brasileiros, sendo o dobro dos funcionários da Polícia Federal e suplanta o efetivo das polícias militares de 22 dos 27 estados. Se juntássemos o número de vereadores do país este seria maior do que 90,3% dos municípios brasileiros.
E para esse número absurdo de pessoas a administração pública federal gastou mais de R$ 1,6 bilhões apenas com veículos, entre manutenção, melhorias, combustível e locação de automóveis. Em 2016, só com lubrificantes e combustível o gasto foi de R$ 328.980.079,67, o suficiente para abastecer um sedã com 87.728.021 litros de gasolina , rodar mais de novecentos milhões de quilômetros e dar 24 mil voltas ao redor do planeta (a quilometragem é maior do que a distância da Terra até Júpiter) – Fonte: http://contasabertas.com.br/site/orcamento/em-2016-custo-com-servicos-relacionados-a-carros-oficiais-foi-de-r-16-bi.
Tudo isso pago por você contribuinte-otário. Nada parecido acontece no mundo.
Na Noruega há vinte carros para atender ao governo. Só o Primeiro-Ministro tem carro exclusivo. Na Suécia, o Parlamento tem apenas 3 carros oficiais que estão disponíveis para o seu presidente e seus três vice-presidentes, apenas para eventos oficiais. Os juízes do Supremo Tribunal da Suécia também não têm direito a carro oficial. No Brasil, só com seus 58 motoristas o STF gastou R$ 3.853.543,36 em 2016.
Em Londres, o prefeito e os integrantes do London Assembly ( o equivalente a nossa Camara de Vereadores) recebem vale-transporte e usam transporte público.
Aqui, no Bananão, só o estado do Ceará tem 26 mil veículos oficiais (não há 26 mil habitantes em 108 municípios do estado). No total a administração pública federal gasta mais com os carros oficiais do que com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o SAMU, que atende a 2452 municípios.
As barbaridades são inimagináveis. Você está preocupado com a segurança pública? Seus políticos parecem que não. A Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro gasta anualmente R$ 3,6 milhões apenas com selos para cartas, setecentas vezes mais do que o desembolso anual com a inteligência policial do Estado do Rio de Janeiro. Entre 2015 e 2017, o gasto do Gabinete Civil do Governo do Estado do Rio Grande do Norte (talvez o mais violento do país) com aquisição de flores e alimentação em eventos internos foi três vezes maior do que o investimento do estado na Polícia Civil.
Segundo dados do TCU só com funcionários em função de confiança o governo gasta R$ 3,4 bilhões por mês, (35% do valor de toda a folha de pagamento do funcionalismo público da União) . “Em 65 dos 278 órgãos federais analisados, o percentual dos cargos ad nutum (cargos de confiança) ultrapassa 50% do total de servidores. Em tais casos, o número de pessoas exercendo posições de comando era superior ao número de comandados, o que é ilógico sob o ponto de vista organizacional” (O Estado de São Paulo – Política, 12 dezembro 2017).
Estas são algumas razões por que é preciso diminuir muito o tamanho do Estado, coisa que o PT nunca quis fazer. Por isso é importante que você pense bem em quem vai votar no segundo turno.