O monge Lucas, acompanhado de um discípulo, atravessava uma aldeia. Um velho perguntou ao religioso como fazer para se aproximar de Deus. O monge lhe respondeu que era para divertir-se, louvar ao Criador com sua alegria.
Mais andando pelas vielas da aldeia, também um jovem aproximou-se dos dois itinerantes e perguntou como devia fazer para aproximar-se de Deus. E o asceta respondeu que não se divertisse tanto.
À frente o jovem acompanhante quis desfazer suas dúvidas e acicatou o mestre porque lhe pareciam duas respostas contraditórias e ficava sem saber direito se deviam ou não divertir-se.
“A busca espiritual é uma ponte sem corrimão que atravessa sobre um abismo. Se alguém está muito perto do lado direito, eu digo: “para a esquerda”. Se se aproxima demais do lado esquerdo eu digo: “para a direita”. Os extremos nos afastam do caminho seguro”.