O ex-deputado Jean Wyllys anunciou recentemente sua renúncia ao cargo de deputado devido a “ameaças de morte” que vem sofrendo. O Jornal O Globo afirma ter tido acesso a algumas dessas ameaças e publicou-as. No entanto teria sido muito importante que o Sr. Wyllys tivesse denunciado publicamente essas ameaças anteriormente, pois, segundo suas informações, recebe ameaças desde 2011. Suas afirmações de que as autoridades nada fizeram contra essas ameaças foram desmentidas por Sergio Moro que relatou que Marcelo Valle Siqueira Mello , membro do grupo autointitulado “Homens Sanctos” foi preso em 2018 por fazer ameaças contra Wyllys.
O fato é que a eleição de Jean Wyllys é mais uma aberração de nossa “democracia”. Teve apenas 13 mil votos em 2010 e agora, em último lugar, 24295 votos, sendo novamente eleito pelo coeficiente eleitoral.
Parlamentar esquerdista, membro do PSOL, partido que apoia a ditadura de Cuba e da Venezuela, (Guilherme Boulos, também do partido, diz que a Coreia do Norte não é uma ditadura) não se cansa de denunciar a pretensa homofobia do deputado Marco Feliciano, mas posa com um boné estampado com a figura de Che Guevara, um homofóbico que matava homossexuais e nada fala sobre a homofobia declarada de Nicolás Maduro e de Cuba. Pelo visto os conceitos de homofobia de Wyllys variam de acordo com o país e a ideologia da pessoa.
Vários de seus Projetos de Leis, decretos etc. são completamente absurdos, como por exemplo.
PL nº 4.931 de 2016- Que impede os psicólogos de colaborarem com eventos e serviços que proponham tratamento, cura ou reversão da orientação sexual ou identidade de gênero.
PDC 676/2017 que susta o decreto que autoriza o emprego das Forças Armadas para garantia da Lei e da ordem no Distrito Federal.
PL 7515/2017 que obriga em um mandato de busca constar a casa onde será realizada a diligência e o nome do respectivo proprietário ou morador. (No caso de uma favela tal mandato terá dificuldades de ser emitido…)
PL 7518/2017 onde “se um imputado não comparecer a uma intimação, com ou sem a apresentação dos motivos do imputado, a autoridade determinará, se for o caso, o regular seguimento da persecução penal”.
PL 7972/2017 onde “o auto de prisão em flagrante não poderá ser realizado sem a participação de duas testemunhas presenciais à infração” (não servem os agentes públicos responsáveis pela sua prisão).
PL 7972/2017 que revoga a reforma trabalhista de Michel Temer.
PL 7270/2014 sobre a legalização da produção e venda de maconha
PL 882/2015 sobre a legalização do aborto
A lista é grande. Seus ataques verbais (e cusparada) a políticos não alinhados com seu esquerdismo são conhecidos, como chamá-los de fascistas (não tem a menor noção do que seja fascismo)criticar os ternos de Sergio Moro, dizendo também que sua voz não combina com sua cara etc. Em mais de uma oportunidade Wyllys chamou seus discordantes de ignorantes.
Em uma entrevista à TV Câmara declarou que é contra a realização de um plebiscito para decidir sobre o casamento gay porque a população não é “bem informada” sobre o assunto e tomaria uma decisão errada. Para ele o mesmo se aplica a temas como pena de morte e redução da maioridade penal. Pelo visto só ele tem as decisões corretas…
Vários políticos recebem frequentemente ou já receberam ameaças de morte (como Joice Hasselmann). Claro que é muito triste que isso aconteça em nosso país, mas é importante frisar que o Sr. Wyllys não é nenhum perseguido por motivos homofóbicos ou políticos. O deputado Clodovil Hernandez era abertamente homossexual e nunca sofreu nenhum tipo de ameaças em sua vida pública. O problema parece que é menos de orientação sexual do que de caráter.30